O último galáctico

Padrão

Numa dessas situações que tiram boa parte do charme do futebol, o Real Madrid praticamente exilou Iker Casillas, o último remanescente dos Galácticos. Justamente aquele que possuía mais identificação com o clube.

A constante fritura por parte dos treinadores e dirigentes do Real foi um dos maiores crimes registrados na história do futebol moderno. É como ver o Totti sendo desvalorizado na Roma ou o Rogério Ceni no São Paulo. Eles são mais que jogadores, são bandeiras da equipe. São a resistência ao modelo pasteurizado do futebol, com muito profissionalismo e pouco amor pela camisa.

Mas lembrando dos Galácticos – um time muito mais conhecido pelo número de grandes craques do que pelos seus resultados dentro de campo – Iker pode ser considerado na história como sendo do mesmo tamanho de seus ex-companheiros Roberto Carlos, Zidane, Figo, Beckham e Ronaldo. Mais vencedor do que todos eles, o agora ex-goleiro merengue é.

Com todo respeito ao bicampeão europeu, o Porto não é lugar para Casillas. Seu lugar é no Real, treinando com seus companheiros no Estádio Di Stéfano, aguardando a construção de alguma nova dependência do clube batizada com o seu nome, o do segundo maior jogador da história do clube.

A emoção desse momento é que deveria ser o motivo de seu choro.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s